Juliette Society - Sasha Grey






Título Original: Juliette Society
Autor: Sasha Grey
Editora: Rocco
Páginas: 236
Ano: 2013
Se eu te contasse que existe um clube secreto, cujos membros pertencem à classe mais poderosa da sociedade - banqueiros, milionários, magnatas da mídia, CEO's, advogados, autoridades, traficantes de armas, militares condecorados, políticos, oficiais do governo e até mesmo o alto clero da Igreja Católica -, você acreditaria? Este clube se reúne sem regularidade, em um local secreto. Às vezes em locais distantes e às vezes escondidos. Mas jamais duas vezes no mesmo lugar. Normalmente, nem mesmo duas vezes no mesmo fuso horário.

E esses encontros, essas pessoas... não vamos enrolar, vamos chamá-las do que são, os Mestres do Universo. Ou o Braço Executivo do Sistema Solar. Então, essas pessoas, os Executivos, usam os encontros como uma válvula de escape do cansativo e estressante negócio de estragar ainda mais o mundo e criar novas maneiras sádicas e diabólicas de torturar, escravizar e empobrecer a população.

E o que eles fazem em seu tempo livre, quando querem relaxar? Deveria ser óbvio. Eles fazem sexo.







 CUIDADO!! CONTÉM SPOILERS


Quando lançou, a internet não calava a boca sobre esse livro. Também, né, era a Sasha Grey - A internet pira.

Enfim, obviamente que eu resolvi ler. Eu tenho na minha cabeça um conceito bem simples: não deve ser um Best-Seller atoa. E a premissa do livro parecia ser algo incrível e sensual, então quais as chances de alguma coisa dar errado?

Pois é. Eu descobri que a Sasha Grey, como escritora, é uma ótima atriz pornô. Me desculpem os fãs, mas esse livro foi difícil de ler até o fim.

Começamos pelos personagens: Catherine (a personagem principal) não pensa em outra coisa a não ser sexo. Seu namorado Jack, quem ela diz amar, é um bosta que ama mais o trabalho que ela. Não comparece (if you know what I mean), se irrita quando ela pede e ainda a julga por isso. Como eu disse, um bosta. E a amiga Anna, uma doida varrida que se enfia em altos picos bizarros para transar loucamente.

O tal do grupo secreto das pessoas poderosas – A Juliette Society – só aparece no fim do livro. Eu passei o livro inteiro esperando ler uma história com vários momentos interessantes, vidas secretas, desejos ocultos dos poderosos, coisas incríveis, sensuais e fantasiosas e tudo que eu encontrei foram situações bizarras, uma mulher frustrada com um namorado idiota, e cenas de sexo que, apesar de muito bem descritas (até porque, Sasha tem um ótimo conhecimento da área), se tornaram uma coisa maçante, cansativa e com uma narrativa bem pobre (e uma boa parte delas eram sonhos ou fantasias dE Catherine).

Vamos deixar claro: logo no início do livro, Sasha Grey já orienta o leitor a deixar preconceitos de lado:

“Antes de irmos adiante, vamos combinar uma coisa.
Eu quero que você faça três coisas por mim.
Uma.
Não se ofenda com nada do que ler a partir deste ponto.
Duas.
Deixe suas inibições à porta.
Três, e mais importante.
Tudo o que você vir e ouvir a partir de agora deve ficar só entre nós.
Ok. Agora vamos ao que interessa.”

E, realmente, o livro é bem pesado. Mas a questão aqui não é “inibição” ou “ofensa”. O livro é bem mal escrito, não cumpriu o que a sua premissa prometia e a história definitivamente deixou a desejar.

Caso você tenha outros livros na sua lista, pode deixar esse pro final.

Share on Google Plus

About AlanaGob

0 comentários:

Postar um comentário