Jane The Virgin - Análise 1ª Temporada


Ano passado quando foram anunciadas quais as séries que estreariam na Fall Season, fiquei bastante empolgado porque muitas das novidades tinham sinopses incríveis e ali vi que minha grade aumentaria bastante. Porém uma dessas novas séries, depois de ler a sinopse e ver o canal em que ela seria exibida, descartei completamente da minha grade, pois já podia sentir o cheiro de cancelamento pairando sobre ela. Em outubro Jane the Virgin estreou e depois de muita insistência do Nivaldo resolvi dar uma chance e assistir o piloto e logo nos primeiros minutos percebi o quão errado eu estava.





“Jane The Virgin” conta a história de Jane Villanueva (Gina Rodriguez) uma jovem de 23 anos, muito inteligente, deicida e independente, que quando criança foi convencida pela sua avó (Ivonne Coll) a “proteger” sua virgindade a qualquer custo até o casamento. Ela tem sua vida toda planejada, namora Michael (Brett Dier) a alguns anos, está no último semestre da faculdade e tem o sonho de ser uma grande escritora. Porém sua vida vira de do avesso (preparem-se pro plot mais insano ever), quando sua ginecologista (Yara Martinez) sem querer acaba a inseminando artificialmente invés de inseminar a cunhada Petra Solano, esposa de Rafael Solano (Justin Baldoni), patrão de Jane, que a beijou a alguns anos atrás (antes dele ser patrão dela). Ou seja, Jane é uma virgem gravida.



Quando se vê gravida, Jane a princípio decide dar o bebe aos “verdadeiros pais” da criança, Rafael e Petra, mas antes ela quer conhece-los melhor, com isso ela acaba se vendo atraída por Rafael, porém ela está noiva de Michael que embora tenha ficado um pouco abalado com a situação, acaba sendo bastante paciente com tudo que tá acontecendo. E o principal plot basicamente fica encargo dessa duvida de Jane.



Jane foi criada pela sua mãe e sua avó é a relação das três é uma das coisas mais bonitas da série, enquanto a avó é bastante conservadora, religiosa, cheia de conselhos e lições de moral, a mãe Xiomara Villanueva é bastante sonhadora, gosta de namorar e muitas vezes Jane é quem tem que dar os conselhos a ela, mas em momento algum ela é uma mãe relapsa ou algo do tipo. Xiomara também esconde o grande segredo de quem é o pai de Jane, isso a gente já descobre no primeiro episódio e o pai de Jane é o personagem mais engraçado de toda a série, além e ser extremamente carismático. Além do pai de Jane, todos os outros personagens de “Jane The Virgin” são extremamente bem construídos e carismáticos, todos tem um drama a ser desenvolvido e tem momentos em que você se vê torcendo pra que a vilã se de bem. E ainda tem o narrador que rouba totalmente a cena com os seus comentários inusitados e engraçados.



A série é baseada em uma telenovela mexicana “Juana la Virgen” e como todo bom “novelão” ela é cheia de reviravoltas e situações improváveis. Tem tudo que se pode imaginar, triângulos amorosos, assassinatos, irmãos gêmeos, traições, golpes, o famoso “Quem matou fulano?”, pai sumido que volta do nada, quando você acha que não tem mais nada pra inventar, acontece algo e você fica “WHAAAT?”. Porém mesmo assim todas as tramas são extremamente bem construídas e todas muito bem amarradas é algo impressionante e de extrema inteligência.
Se você gosta de boas comédias, com certeza vai adorar “Jane the Virgin”, e embora o plot pareça meio bobo, tire a sua mochilinha do preconceito e dê uma chance pra essa delicia de série que você não vai se arrepender.
Share on Google Plus

About Erick Sant Ana

22 anos, também conhecido como o terror das Coca-Colas alheias, hiperativo e desatento é mestre na arte de esbarrar derrubar e quebrar coisas. Leitor compulsivo e portador da doença "não dormi direito, pois estava assistindo séries". A frase que você mais vai ouvi-lo dizer é "To com fome" e tem o péssimo hábito de falar de si mesmo na 3ª pessoa.

0 comentários:

Postar um comentário