Uma História de Amor e Toc - Corey Ann Haydu



Temos resenha nova? Temos sim, senhor!! Finalmente consegui parar um instante para resenhar esse livro para vocês. Sendo sincera? Estava em uma crise com leituras que nem folhetos eu conseguia ler, mas a vontade de ler voltou e devorei esse livro depois de muito tempo enrolando e deixando ele de canto, mas agora chegou a hora de resenhar para vocês Uma História de Amor e Toc.

Falando sobre a história do livro, vamos conhecer a Bea, uma garota que foi diagnosticada com um transtorno obsessivo-compulso (TOC) e ela desenvolveu algumas manias esquisitas e assustadoras por causa de um término de namoro, término esse que deixou o seu TOC bem mais aflorado. Por conta do seu diagnóstico, ela começa (obrigatoriamente) a se consultar com uma psicóloga para tratar esse seu transtorno e nessas suas consultas ela conhece várias pessoas com TOCs diferentes, inclusive Beck, O problema começa quando ela começa a se aproximar dele e perceber que mesmo ambos tendo esses transtornos, eles podem ser a salvação um do outro. Claro que nada é fácil e essa luta entre acabar com os transtornos e se envolverem em um relacionamento será um conflito incrível que te leva no universo de quem (infelizmente) desenvolve transtornos tão sérios.




Os personagens desse livro são incríveis e eu tenho que parabenizar e muito a autora Corey (íntimas) pelo brilhante trabalho com cada personagem, principalmente os que têm transtorno, aspecto que foi muito bem construído. O livro é narrado pela Bea, então você se sente na pele dela em cada transtorno e em cada crise. Suas manias a levam para várias furadas e tem momentos que você simplesmente não entende o porquê dela agir assim, mas é assim que uma pessoa com transtornos age então você fica na mesma situação que ela, de ter esses impulsos que não são normais. Não sei se é spoiler, mas a Bea ela têm uma certa queda por garotos e não é bem uma queda, é mais uma mania de perseguição mesmo e ela acaba tendo vários outros problemas que acabam interferindo na vida das pessoas que ela persegue e é ai que mora o perigo quando ela conhece Beck. Falando dele, Beck também têm TOC e ele têm compulsão por limpeza e pelo número 8, o que é explicado ao decorrer da leitura. Acho que Beck é um dos personagens que mais cresce durante o livro, porque ele realmente fica muito mal com esse transtorno e depois consegue aceitar que precisa mudar e começa aos poucos a mudança, junto com a Bea. Não é de uma hora pra outra, vemos várias coisas acontecerem até lá, mas é lindo como eles dois se apoiam. Deixo aqui também o meu destaque para a Dra. Pat que olha, teve uma paciência não só com o tratamento da Bea, mas com todos os personagens que aparecem durante o livro e a importância de não desistir das pessoas. A Lisha (a.k.a melhor amiga da Bea) também é uma personagem importante e você aprende muito com ela, principalmente no momento em que ela percebe que a Bea está ficando pior.



O livro em si é muito bom, é uma leitura gostosa e vale a pena ler.  A mensagem que ele transmite é incrível e a busca de superação dos personagens me fez querer controlar mais os meus pequenos transtornos rs, é bem bacana e recomendo. A diagramação do livro está incrível e a capa, sem comentários, tudo combinando e as letras do título em relevo e pela primeira vez consegui aceitar o quadrado torto desse livro, depois de muito tempo brigando com ele, haha! 

Quem mais já leu esse livro? Gostou? Deixem aqui nos comentários para gente trocar figurinha, fechado?
Share on Google Plus

About Alexsandra Ferreira

Alexsandra tem 20 anos, virginiana e universitária, que ama filmes, música e compras, além de desenhar nas horas vagas e cantar (tentar). Quer fazer Ciências Contábeis após a Pós-Graduação e quem sabe, vários cursos voltados para web design, que tem tudo a ver (haha sqn). Sonha conhecer o mundo todo (seja pelos livros ou não), mas parte dele também vale.

0 comentários:

Postar um comentário