Aquele curta do amor: Inner Workings



Vocês devem ter percebido que cada vez mais os curta-metragens têm ganhado as pessoas, certo? Normalmente eles abordam assuntos "delicados" de maneira divertida e simples, fazendo com o público comece a se prender antes mesmo do filme começar. Quando fui assistir Moana (que já têm crítica aqui no blog) assistimos ao curta "Inner Workings" ("Cabeça ou Coração" em português), e a Walt Disney mais uma vez trás mais um incrível curta que foi digno de post aqui no blog.

O curta nos trás a história de um homem que têm sua vida "pré-programada". Então ele acorda as 6 horas da manhã, o sistema do corpo dele também acorda, ele toma banho, café e sai para trabalhar. O grande "x" da questão é que no corpo dele, sempre temos a luta entre a razão (cérebro) e a emoção (coração), porque o rapaz sempre segue fazendo as mesmas coisas e no trabalho várias pessoas são monótomas como ele e, chega uma hora que o coração percebe que ele não está feliz sendo 100% razão e então, dá ouvidos ao coração, à emoção, ao lado aventureiro que não quer ser pragmático, que quer explorar tudo aquilo que aquele homem queria explorar mas por sempre responder no seu lado pragmático, nunca o fez.



Isso nos fala muito quando vivemos em um século onde cada vez mais estamos "robotizados" sabe e uma frase que eu gosto bastante de deixar bem claro comigo é de que não fomos feitos somente para pagar contas. Temos nossas responsabilidades, nossa vida como um todo para manter no lugar, nos eixos, mas se não nos dermos o "luxo" de explorar novas coisas, novas emoções, estaremos vivendo somente no modo pragmático: acordar, levantar, trabalhar, casa e dormir. Temos que nos dar a oportunidade de algumas vezes mudar a nossa rotina, fazer coisas diferentes mesmo em dias da semana, seja um cursinho, um passeio, ver pessoas, acordar mais cedo às vezes e olhar o mar ou aquela vista perto do trabalho que você sempre vê correndo. Deve existir um equilíbrio entre a nossa razão e a nossa emoção, e é isso que esse curta aborda tanto para os pais que levaram as crianças para o cinema assistir Moana (que é um filme infantil, querendo ou não) tanto para os demais que já têm entendimento de tudo isso, porque é tudo bem claro.


A gente quase nunca fala dos curta-metragens aqui no blog e será algo bastante falado em 2017, principalmente quando a gente trata assuntos tão legais como esse, tendo em vista que, infelizmente, somos a geração da depressão, por toda essa cobrança com os jovens desde cedo. Como disse, temos responsabilidades, uma vida para cuidar, mas não é por isso que vamos deixar de viver um pouco só nos finais de semana. Você precisa equilibrar sua razão e sua emoção, dosar para não eliminar o outro lado. Vale ressaltar que o roteirista e diretor dessa incrível animação é brasileiro, Leo Matsuda, que fez trabalhos anteriores incríveis  <3

Share on Google Plus

About Alexsandra Ferreira

Alexsandra tem 20 anos, virginiana e universitária, que ama filmes, música e compras, além de desenhar nas horas vagas e cantar (tentar). Quer fazer Ciências Contábeis após a Pós-Graduação e quem sabe, vários cursos voltados para web design, que tem tudo a ver (haha sqn). Sonha conhecer o mundo todo (seja pelos livros ou não), mas parte dele também vale.

0 comentários:

Postar um comentário