A Menina Submersa (Memórias) - Caitlín R. Kiernan



Mais uma resenha aqui no blog de um livro muito diferente do que eu estou acostumada. A Menina Submersa (Memórias) foi meu primeiro livro da autora Caitlín R. Kiernan e é um livro muito mais difícil de ser lido e de ser absorvido. Foi um livro de experiências e vou contar para vocês tudinho na resenha.

India Morgan Phelps (mais conhecida como Imp) é uma jovem que vive no seu apartamento junto com os seus vinis deixados como "herança" de sua mãe, suas pinturas que são sua válvula de escape para suas paranoias e crises esquizofrênicas e uma máquina de datilografia que ela usa sempre para escrever suas histórias. Imp têm uma vida bastante conturbada psicologicamente, principalmente pelo fato de que sua vó, Caroline, e sua mãe, Rosemary Anne, cometeram suicídio devido aos meus problemas, que ela chama de "A Maldição da Família Phelps", já que ela acredita que esses problemas psicológicos sejam passados de geração em geração.



Com toda essa carga que desde seus 17 anos (quando sua mãe morreu) Imp carrega, ela faz terapia e também mergulha em suas pinturas e escritas, já que quando pequena, ela costumava ir em museus com sua mãe e Imp acabou desenvolvendo um gosto muito grande pelas obras de artes, especial sobre a obra "A Menina Submersa" feito por um artista de Boston em 1898 chamado Phillip George Saltonstall. Ele é um pintor que pouco se têm registro e o quadro é o retrato de uma jovem mulher totalmente nua que está de pé, com as águas do lago até os tornozelos, cuja inspiração para a composição foi inspirada em uma visita que o próprio autor fez. Toda essa história já vai te fazer sentido.



Depois de nos contar um pouco sobre a vida, família e obras, Imp começa a nos contar uma história, na verdade, memórias do que aconteceu com ela. De um jeito improvável, Imp acabou conhecendo Abalyn. O tempo estava virando e ela estava indo para casa quando resolveu caminhar mais um pouco antes de ir quando viu várias caixas no meio da rua. As caixas eram de Abalyn, que estava saindo da casa da (ex) namorada e Imp acaba oferecendo seu apartamento para ela, coisa não muito normal de se fazer. E na medida em que Imp nos conta essa história, ela deixa claro que, algumas daquelas muitas palavras, podem não ser de verdade. Então, elas acabam indo morar juntas, Abalyn e Imp acabam desenvolvendo um relacionamento depois de um tempo, até que Imp conhece Eva Canning. Eva Canning estava nua, olhando fixamente para o rio, no acostamento e Imp (assim como fez com Abalyn) acabou ajudando, assim como fez com Abalyn, mesmo que essa mulher demonstre que, de alguma forma, a conhece e que ela é mais misteriosa do que a forma como foi encontrada, assim como naquele misterioso quadro de A Menina Submersa e Imp vai ter que tentar explicar esse seu "instinto protetor" para Abalyn, que não vai gostar nada dessa história.



Depois que Eva Canning aparece na vida de Imp e Abalyn, nada volta ao normal e é isso que vamos descobrir na medida que lemos os relatos do livro que Imp nos conta sobre suas memórias. Por isso que esse livro não é um livro fácil, é literalmente um livro dentro de um livro. Caitlín soube usar brilhantemente as personagens e suas características, já que temos Imp que é uma jovem com problemas psicológicos (que a gente acaba vagando pela sua mente esquizofrênica por todo o livro) que acaba vivendo um amor nunca esperado por Abalyn e que também acaba conhecendo uma mulher misteriosa, Eva, que vamos descobrindo mais e mais conforme avançamos na leitura. Uma coisa importante a ser dita: Eva é crucial para o desenvolvimento da história. Abalyn é uma personagem bem interessante, ela é meio que a parte realista que falta na Imp em alguns momentos. Durante a leitura você começa a ver como é a mente de uma pessoa esquizofrênica, já que Imp deixa bem claro pra gente que alguns fatos que ela viveu não foram escritos exatamente da forma como ela digitou para nós.



É um livro muitíssimo interessante e um tanto quanto incoerente, um romance bem dark com traços únicos, um livro que poucos conseguem escrever da forma como a autora fez com tanta propriedade. É uma história cheia de cultura em obras artísticas e escritas (a autora usa muitas referências de Moby Dick, Alice, etc) e é uma leitura fascinante, com um final incrível e reflexivo, você termina e fica se questionando sobre, é de uma intensidade absurda. Todos os personagens são bem estruturados e a gente se perde por todos eles, além de mergulhar nas histórias fantasiosas de Imp, sem saber se são realmente 100% verdadeiras ou se misturaram pelos contos e pelas obras que ela gosta conforme ela nos vai contando, Se você gosta de livros de fantasia com aquela pitada de terror na medida, você vai se deliciar com a história de A Menina Submersa, mas fique atento: é uma leitura difícil que precisa de tempo e de calma para ser lida e estou querendo ler mais e mais obras da autora.

Alguém aqui já leu A Menina Submersa? O que achou da leitura? <3

Livro: A Menina Submersa (Memórias)
Autora: Caitlín R. Kiernan
Editora: DarkSide Books
Páginas: 313
País: Brasil
ISBN: 978-85-66636-53-6

Share on Google Plus

About Alexsandra Ferreira

Alexsandra tem 20 anos, virginiana e universitária, que ama filmes, música e compras, além de desenhar nas horas vagas e cantar (tentar). Quer fazer Ciências Contábeis após a Pós-Graduação e quem sabe, vários cursos voltados para web design, que tem tudo a ver (haha sqn). Sonha conhecer o mundo todo (seja pelos livros ou não), mas parte dele também vale.

0 comentários:

Postar um comentário